Cortes no Bolsa Família vão atingir 400 mil pessoas em 2020


O Programa Bolsa Família foi criado pelo governo Lula em 2003, um dos principais programas sociais do país terá corte de 7,8% no próximo ano, prevê gestão Bolsonaro.

Para 2020, o governo de Jair Bolsonaro prevê uma grave redução no orçamento dos mais importantes programas sociais do país, como o “Minha Casa, minha vida” e o Bolsa Família, instituído pelo governo Lula em 2003. Este último terá corte de 7,8%, fazendo com que cerca de 400 mil famílias deixem de ser atendidas no próximo ano.

Estimativa é do economista Francisco Menezes, consultor da Action Aid e do Ibase, em entrevista ao jornal Extra. Como agravante, o governo também discute a possibilidade de unificação do Bolsa Família, do salário-família e do abono salarial do PIS/Pasep.

Com este cenário, não há previsão de novas inclusões no Bolsa Família do próximo ano, ou até mesmo a manutenção das atuais 13,2 milhões de famílias contempladas. Até o mês de maio deste ano, a média de famílias que conseguiam o benefício era de 220 mil por mês. Em junho, no entanto, o número não passou de 2.500.

Além disso, o 13º salário, prometido pelo presidente Jair Bolsonaro durante a campanha, não deve ser pago em 2020. Isso é resultado dos cortes previstos na proposta orçamentária enviada pelo governo ao Congresso Nacional, que estima R$ 29,5 bilhões para o programa – redução de 7,8% em relação aos R$ 32 bilhões de 2019.