Debate na Câmara de Salvador discute questões referente a Simões Filho e outras cidades da RMS


Foto: Reprodução

A Comissão Especial Temporária em Defesa da Região Metropolitana de Salvador (RMS) e Recôncavo da Bahia, presidida pelo vereador Odiosvaldo Vigas (PDT), realiza debate nesta quinta-feira 31, às 10h, no Plenário Câmara de Salvador, para discutir questões de interesse dos municípios que fazem parte da região Metropolitana. Segundo Vigas, são 13 cidades que têm interesses e similaridades que podem contribuir ao desenvolvimento conjunto nas áreas econômica, cultural e de desenvolvimento, dentre outros setores. 

“A expectativa é que essa plenária conte com representações de vários municípios, que sejam apresentadas demandas e soluções conjuntas aos problemas comuns”, frisou o vereador.

Segundo o engenheiro químico Adary Oliveira, Doutor em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona e estudioso da ‘integração dos municípios da RMS’, a Região Metropolitana foi instituída pela Lei Complementar Federal Nº 14, de 8 de julho de 1973. 

Além de Salvador, abrange mais 12 municípios: Camaçari, Candeias, Dias D’Ávila, Itaparica, Lauro de Freitas, Madre de Deus, Mata de São João, Pojuca, São Francisco do Conde, São Sebastião do Passé, Simões Filho e Vera Cruz. Segundo estimativa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população reunida ultrapassa 4 milhões de habitantes, sendo a segunda maior aglomeração urbana do Nordeste brasileiro e a sétima do Brasil, concentrando aproximadamente 45% do PIB estadual.

Nas pesquisas Adary salienta que, apesar da grande importância para a Bahia, a RMS carece de órgãos para coordenação de ações conjuntas que disciplinem a integração dos municípios e promovam o desenvolvimento de forma harmônica e sustentável. 

“São importantes na promoção dessa integração os investimentos industriais realizados no Polo Industrial de Camaçari, no Centro Industrial de Aratu, em Simões Filho e Candeias e na Refinaria Landulpho Alves (RLAM), em São Francisco do Conde, e nos equipamentos de uso comum de grande valor logístico, a exemplo do Aeroporto Internacional Luís Eduardo Magalhães, dos portos de Salvador e Aratu-Cadeias e do Terminal Aquaviário de Madre de Deus”, enfatizou o especialista.