Denúncia enfraquece prefeito de Simões Filho


A denúncia destaca que os supostos lotes dos medicamentos populares, adquiridos pelo valor de R$ 1,2 mi, jamais chegaram às prateleiras das unidades de saúde de Simões Filho. A informação foi levantada na quarta-feira, 25, pelo ex-assessor parlamentar, Alfredo Cerni, um dos braços direitos do prefeito Dinha durante a campanha eleitoral de 2016.

Aliados e opositores do prefeito de Simões Filho, Diógenes Tolentino (PMDB),  acreditam que a denúncia de que ele teria liberado o pagamento de R$ 1,2 milhão para a compra de medicamentos, que jamais chegaram às unidades de saúde do município,  acelera um processo de enfraquecimento do gestor no município. A informação foi transmitida pelo ex-assessor do prefeito, Alfredo Cerni, durante entrevista ao canal no youtube, papo de carona.

Segundo a denúncia, Dinha teria assinado o pagamento no valor de R$ 1,2 milhão em contratos para a compra de medicamentos para atender a atenção básica de saúde e o hospital municipal. Segundo o denunciante – que tinha influência na secretaria de saúde de Simões Filho – , os lotes de medicamentos foram pagos, porém, não chegaram até as prateleiras das unidades médicas. 

A reportagem do site Fala Simões Filho tentou contato com a assessoria de comunicação da Prefeitura, mas as ligações não foram atendidas. O prefeito também não se pronunciou sobre o caso.