FHC sobre Bolsonaro: ‘Representa tudo que não gosto’


O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (PSDB) analisou, em uma longa entrevista ao jornal Estado de S.Paulo, o atual cenário eleitoral e ponderou sobre a polarização que tomou o País.

FHC fez críticas ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), ao Partido dos Trabalhadores e também a próprio partido que, segundo ele, precisa “repensar” e “reconstruir a casa”, se quiser ter um futuro.

“Não creio que seja por influência do que ele [Bolsonaro] diz ou pensa que votam nele. O voto é anti-PT. O eleitorado parece estar contra o PT. No olhar de uma boa parte dele, o PT é responsável pelo que aconteceu no Brasil, na economia, cumplicidade com a corrupção e etc” disse.

Ao ser questionado sobre suas opiniões em relação ao candidato do PSL, FHC reforçou: “Bolsonaro representa tudo que não gosto. É possível que a maioria dos líderes do PSDB seja pró-Bolsonaro, mas não é o meu caso.”

Sobre Fernando Haddad (PT), oponente de Bolsonaro nas urnas no segundo turno, FHC também fez críticas, mas se mostrou aberto ao diálogo.

“Como pessoa é uma coisa, como partido é outra. A proposta que o PT representa não mudou nada”, afirmou.

“Quero ouvir primeiro. Não sei o que vão fazer com o Brasil. O Bolsonaro, pelas razões políticas, está excluído. O outro eu quero ver o que vai dizer”, revelou.

Apesar da fala amigável, o ex-presidente garante que a porta não está totalmente aberta para Haddad. “O outro [Bolsonaro] não tem porta. Um tem um muro, o outro uma porta. Figura por figura, eu me dou com Haddad. Nunca vi o Bolsonaro”, disse, antes de garantir que não possui relações pessoais e cordiais com o candidato do PT.