Gigantes do varejo brasileiro estão sentindo a pressão da chegada do Amazon Prime


Os estoques dos principais varejistas fecharam com perdas na data do novo lançamento da Amazon no país

A chegada do Amazon Prime no Brasil, um pacote de assinaturas que inclui serviços de streaming e frete grátis nas compras, não chamou a atenção dos consumidores: o mercado financeiro também sentiu a mudança ocorrendo ontem, no lançamento do serviço no Brasil. país. Os estoques dos principais varejistas brasileiros sofreram perdas significativas.

O Magazine Luiza , Lojas Americanas , B2W e Via Varejo, juntas, perderam R $ 4,75 bilhões – terminando o dia na Bolsa de Valores do Brasil (B3), com valorização de R $ 103,7 bilhões. No dia anterior, os gigantes do varejo foram avaliados juntos em BRL 108,45 bilhões. Em termos percentuais, a empresa mais impactada foi a Magazine Luiza, com perdas de 4,97%. A B2W ficou em segundo lugar, com perdas de 4,83%, seguida pela Via Varejo e Lojas Americanas – com as perdas correspondentes de 3,28% e 3,2%.

a empresa mais impactada foi a Magazine Luiza, com perdas de 4,97%. A B2W ficou em segundo lugar, com perdas de 4,83%, seguida pela Via Varejo e Lojas Americanas – com as perdas correspondentes de 3,28% e 3,2%.

O novo serviço da Amazon no Brasil explica as incertezas do mercado local: ao vincular produtos de streaming com frete grátis em até 48 horas, a gigante americana está apostando em um forte modelo de lealdade que já está consolidado globalmente: o Amazon Prime tem mais de 100 milhões de clientes em no mundo e nos Estados Unidos, o serviço corresponde a metade de todas as vendas de comércio eletrônico.

O preço é outro fator que intensifica a concorrência com os grandes varejistas brasileiros: o pacote da Amazon Prime no Brasil chega com o preço de BRL 9,90 para o plano mensal e BRL 89,90 para a assinatura anual.

Para enfrentar a estratégia agressiva da Amazon, o banco do Goldman Sach disse, em um relatório, que os concorrentes brasileiros terão que investir, mostrando flexibilidade. Segundo informações de analistas da instituição, publicadas pelo jornal brasileiro Estadão , “mesmo que a empresa não revele sua receita no país, prevemos que o site esteja entre os dez melhores do mercado de comércio eletrônico no Brasil”.