Prefeito Dinha consegue reduzir dívida da Prefeitura de Simões Filho deixada por gestões anteriores


Durante a abertura dos Trabalhos Legislativos de Simões Filho, o prefeito Dinha apresentou dados comprovando a redução das dívidas do município, que haviam sido deixadas pelas gestões anteriores. Nos últimos dois anos o valor reduzido chegou a 100 milhões.

Em 2017, quando assumiu a pasta, a dívida com juros e multas ultrapassavam R$ 300 milhões, mas 1/3 do débito já foi quitado, segundo o prefeito.

De acordo com os dados dos relatórios do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), órgão responsável por fiscalizar as contas das prefeituras baianas,  em 2009 a dívida municipal era de R$ 36,0 milhões. Em 2011, já estava em R$ 94.741.259,37, passando a ser R$ 157.073.304,99 em 2012, um aumento de 65,79% de um ano para outro.

Ainda conforme as informações do TCM, em 2015 não houve o pagamento da dívida ou parte dela, e o montante passou a ser 225,7 milhões apenas com o INSS.

Em 2016, as dívidas consideradas a “Longo Prazo”, com base na Lei n° 12.810, chegaram a R$ 227,2 milhões. Já os chamados “Restos a Pagar” –  referentes à despesas empenhadas, mas não pagas até o dia 31 de dezembro de 2016, totalizaram R$ 51,3 milhões em débitos. As dívidas com água, energia e telefonia (Embasa, Coelba e Oi) somaram quase R$ 4 milhões. A folha de pagamento de dezembro com o 13º salário, que também não foram pagas pelo ex-prefeito Eduardo Alencar, resultou numa dívida de R$ 11 milhões, despesa quitada pela atual gestão.

Se a dívida não estivesse sendo paga e as práticas continuassem acontecendo da mesma forma, o valor da dívida municipal em 2018 chegaria a R$ 425, 9 milhões.