Vídeo divulgado por Flavio Bolsonaro é falso, diz Rui Costa


O governador da Bahia, Rui Costa (PT), afirmou nesta quarta-feira, que o senador Flávio Bolsonaro (sem partido) divulgou nas redes sociais um vídeo fake, com o corpo do miliciano Adriano Nobrega, morto pela polícia na Bahia, no último dia 9, e suspeito de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

“São falsas. Posso garantir que aquilo não é nem do IML [Instituto Médico Legal] da Bahia nem do IML do Rio. Não são imagens dele. A imagem do corpo tem uma saída de bala nas costas e as costas dele estão lisas”, disse o governador da Bahia para jornalistas em Brasília.

Flávio publicou um vídeo com imagens de um corpo nu sobre uma mesa de necropsia, na última terça-feira, 18.

“Perícia da Bahia (governo PT) diz não ser possível afirmar se Adriano foi torturado. Foram 7 costelas quebradas, coronhada na cabeça, queimadura com ferro quente no peito, dois tiros à queima-roupa (um na garganta de baixo para cima e outro no tórax, que perdurou coração e pulmões) e as costas desse jeito aí que estão vendo no vídeo”, escreveu o senador.

Rui Costa diz que Bolsonaro parece ter receio do caso Adriano e avisa que celulares do miliciano foram para o Rio de Janeiro

“Desculpas aos mais sensíveis, mas a postagem do vídeo é necessária para que não haja dúvidas de que ele foi torturado e assassinado, como queima de arquivo. E parte da imprensa está querendo botar na nossa conta. Uma semana antes do assassinato, a esposa de Adriano foi à imprensa denunciar que seu marido poderia ser morto a mando do governador do Rio. O caso é muito sério e tem que ser investigado até as últimas consequências”, prosseguiu Flávio na publicação.

O ex-capitão da Polícia Militar era ligado a Flávio Bolsonaro e estava foragido em sitio de vereador do PSL. Do filho do presidente, Adriano Nobrega recebeu homenagem na Assembleia Legislativa do Rio, enquanto Flavio era deputado, entre fevereiro 2003 e janeiro de 2019.

Veja mais sobre o caso

‘Poderiam forjar mensagens’, diz Bolsonaro sobre celular de miliciano