Vídeo: ex-funcionários do Hospital de Simões Filho realizam protesto na Secretaria de Saúde


Simões Filho
Foto: reprodução WhatsApp

Na manhã desta segunda-feira 20, ex- funcionários do Hospital Municipal de Simões Filho, que prestavam serviço  a empresa terceirizada Associação de Proteção à Maternidade e a Infância de Castro Alves (APMI) realizaram uma manifestação pacífica em frente a Secretaria de Saúde do município da Região Metropolitana.

Com microfone,faixas e palavra de ordem pedindo a “solução” para o transtorno que vem vivendo desde quando a empresa rompeu contrato com a Prefeitura os manifestantes disseram que até o momento o órgão municipal não deu uma posição concreta sobre o caso e eles continuam ser receber seus salários do mês de dezembro, e enfatizam que foram demitidos sem aviso prévio.

Ainda de acordo com os ex-funcionários  APMI encerrou o contrato com a Prefeitura no último dia 31 de dezembro e saiu do Hospital e além de não pagar o ordenado do mês doze, não realizou baixas nas carteiras de trabalho, nem quitou os débitos rescisórios dos servidores. Dessa forma alguns deles estão com dificuldades para quitar débitos e manter o sustento da família.

O grupo de manifestantes, formado por enfermeiros, técnicos de enfermagem e auxiliar de serviços gerais, realizaram protesto no início da manhã de hoje, pois segundo eles, a Prefeitura ficou de solucionar o caso e ajudar os funcionários a fazerem um acordo para que os pagamentos fossem efetuados, mas até então nada foi resolvido e nenhuma posição concreta foi dada.

Ainda de acordo com os manifestantes, na Secretaria de Saúde a informação  dada é que, a Secretária da pasta estaria em reunião com o prefeito Dinha tratando sobre o assunto e não se sabe quando eles seriam atendidos.

 

O que diz a Prefeitura?

Na última  segunda-feira 13, o Procurador Geral do município de Simões Filho, Jarbas Magalhães, em entrevista ao programa Bahia no Ar, na rádio Sucesso FM 93.1, foi questionado sobre o caso e disse que a Prefeitura estaria medidas para que os direitos dos trabalhadores que prestaram serviço a APMI durante todo esse tempo fossem garantidos.

“A Prefeitura já tinha se preocupado com a questão das verbas salariais do mês de dezembro e o município repassa o valor para a APMI e a mesma paga os funcionários, entretanto, em razão da situação finalizada do contrato com a empresa, o município, na pessoa do prefeito Diógenes Tolentino, solicitou para que nós tomássemos providências no sentido de salvaguardar as verbas salariais referente ao mês de dezembro, então retemos, a verba salarial da folha do mês de dezembro   e eventualmente a questão das verbas rescisórias e FGTS poderão entrar em discussão”, esclareceu Jarbas Magalhães.

O Procurador disse ainda que o caso será mediado pelo Ministério Público do Trabalho, APMI, Prefeitura e representantes dos funcionários sobre o caso  para que valores salariais sejam repassados diretamente aos funcionários, ou então, que seja garantido o repasse pela empresa.

Até então a situação não foi resolvida e os trabalhadores que seguem passando dificuldades financeiras afirmam que continuarão realizando manifestações em busca dos seus direitos.

Veja vídeo: